sexta-feira, 13 de maio de 2011

Na Chuva


Entre merda e lama, na chuva, é tudo igual. Mas eu prefiro me magoar do que fazer isso com alguém que eu amo.

E nesse momento exato o céu chorou, como faz todas as vezes nas quais me ferem o coração, mas no final ele sempre se acostuma com mais essa dor – outro amor perdido. As aventuras dele nessa selva de sobrenome vida. Cheia de impossibilidades, pois se quisesse o mais simples não seria ela mesma de nome escondido.

Entre lágrima e tristeza, na chuva, é tudo igual. Mas vocês preferem me ver sorrindo do que lamentando os momentos não vividos ao teu lado.

Desde que arquivamos outros casos e empurramos com os pés, cheios de raiva, aquelas gavetas cheias de alguéns. Vazias de nós, vazias de um eu e de um você. Vencidos pelos medos, derrotados antes de lutar.

Jogado a lama. Entre ela e eu, na merda, esticando os lábios e os dentes. Fazendo dos meus curtas os sucessos do momento, sem esperar seus comentários. Nas trocas de letras nas palavras e das formas, porque agora elas são disputadas palmo a palmo, mas amanhã ou hoje estarei sentado escrevendo e só, me acompanham minhas folhas, a velha caneta e o alcatrão.

A chuva molhando e borrando tudo que grafo em teus olhos ou nos olhos das outras. Me dominam a ira e as frases. Me domina a vontade, fique à vontade. Onde a vontade fica?

Enquanto prolongo por mais uma noite bailando no meu quarto de mãos vazias, cheio de orgulho por não sofrer os maus ou os bens. Havia em tudo um breve sentido, que abreviou-se ontem e amanhã serei tanto quanto hoje sou... o escritor, o poeta, o solitário.

2 comentários:

R2MILIOLI disse...

eu não entendo não ser comentado algo que não é direcionado a ninguém.

Tatih disse...

Eu entendi tudo e completamente...
Você não escreveu direcionado à alguém em específico né? Mas resume muita coisa e resume um pouco dessa vida louca: de todos e de ninguém; vozes no papel; noites loucas; noites vazias... No final estamos sós com nós mesmos. Seria o correto, o nosso caminho. Conheço bem! =)