quarta-feira, 13 de abril de 2011

Horta


As terras daqui são de fertilidade tamanha que de quase tudo tem. De quase tudo se gosta também e de nada se perde.

Mesmo assim, sinto saudades daquilo que não tem mais, dos gostos que já me abordaram a boca e adoçaram a vida. Ainda me lembro das carambolas que, ora bolas, tinham o suco da existência dos meus sorrisos, enquanto infância. E as jacas que tanto pesavam e aguçavam os gostos alheios, caiam repentinas, normalmente vespertinas, quando o sol passava à pino. Aquelas goiabas vermelhas já desciam das telhas direto nas mãos ou que ainda fosse necessário subir ao pé para buscá-las. Dos sapotis só os morcegos e a Sapucaí têm saudades, nunca provei do gosto doce delas.

Algo temperado como essas terras de hortelã, manjericão, alecrim e louro dispenso os sais que me oferecem em outros pratos. Minhas massas já se acostumaram com as variações que busco lá fora.

Dentre as folhas que tantas são se destacam as flores, não as minhas. Mas as samambaias, bromélias e coqueiros as destacam. As belas rosas, as flores de bananeira e o solitário gira-sol que, às vezes, some.

O que comer ainda me dão, não me canso das amarguras, das pitangas. O papaia já foi providenciado para adocicar o que o cacau já acimentado não pode mais me dar. Não sei por quanto tempo ainda vou ficar por aqui, talvez plante duas mangueiras para pôr minha rede e olhar para o futuro com mais calma aqui do meu quintal.

4 comentários:

Lana disse...

rs...que gostoso esse...!!!rs

adorei!
e nunca uma frase me pareceu tao fofa...."Ainda me lembro das carambolas que, ora bolas, tinham o suco da existência dos meus sorrisos, enquanto infância" ...kkkkk
foda!\o/

Dani Isaquiel disse...

Esse me fez lembrar minha infancia.
Pois conheci bem uma horta, tudo que eu comia se pegava do pé da fruta.
E O TEXTO ta muito fofo.

danilo disse...

Esse teexto me fez voltar à minha infância, da minha antiga casa onde eu tinha algumas árvores frutíferas e das tardes qndo eu deitava no meio do quintal e ficava olhado pro céu e vendo as formas que as nuvens tomavam...

Renata disse...

gostei muito desse poema ele é diferente e especial, achei maravilhoso parabéns bjs!!!!